sábado, 22 de outubro de 2011

NOSSA SANTA IGNORÂNCIA

É incrível como nos dias de hoje, com a informção invadindo nossas casas, nosso ambiente de trabalho e todo o espaço sideral ao qual vivemos, ainda existam mulheres (e homens também) que sucumbam ao medo e insegurança e não procuram ajuda quando algo enigmático apareça em seus corpos, ou seja essa horripilante doença que chega sem ser convidada, menos ainda esperada. Sei que não sou a pessoa ideal para esboçar isso aqui, uma vez que quando descobri o diagnóstico positivo já estava com um nódulo com mais de sete cms, e eu já havia tomado conhecimento do mesmo há quase dois anos. Por não estar digamos, sem a mínima vontade de viver, sem nenhum estímulo que, pensava eu, este em minha triste imaginação havia sido extinto; mas não, como somos inconseqüentes, negligentes com nós mesmos, não? Ainda existem pessoas, que por outros motivos, sejam estes orgulho, vergonha (\o/), preconceito, escondem-se em suas conchas, se tornam introvertidos e contidos em sua dor solitariamente. Não entendam como julgamento o que estou citando, mas penso que se perde uma boa oportunidade de rever suas vidas em conjunto com os demais e guardar nossa experiência conosco não vai nos ajudar, menos ainda às outras pessoas, que indistintamente se abalam quando são pegas de surpresa sendo vítmas de CA. É impossível não associar a doença à morte em suma, e apenas com nossos testemunhos; estes que num primeiro momento para pessoas alheias a esse problema, pensam até ser irrelevante, com esporádicas chances das mesmas serem acometidas. Infelizmente não é, acontece em todas as famílias, com as pessoas mais célebres, importantes ou não. Reflito sobre as causas, os fatores – que são inúmeros, na verdade uma gama de várias circunstâncias, sejam estas de cunho espiritual, emocional ou físicas – e percebo que somos, muitas vezes, levados por uma força inimaginável que nos permeia, mas que nos permitimos viver como ostras. No meu caso, sempre pensei que, se fosse para alguém se magoar, essa pessoa fosse eu, com isso vamos guardando tudo aquilo que gostaríamos de ter escancarado, vamos dizendo sim à todos e sempre não prá nós mesmos, e em contrapartida, nos alimentamos mal, temos preguiça de nos exercitar, dormimos mal e por ai vai inúmeras negações que se infiltram em nós no decorrer do tempo. Não existe uma fórmula de ‘pirlimpimpim’ que possa afastar prá longe esse drama quando ele se instala. A junção desses itens que permeiam nosso dia a dia se aglomera, chega num momento que o corpo irá reclamar, a alma irá chorar e aí acontece o descontrole, as células se aceleram e desordenam ficando loucas; o cérebro pede arrego e então se explode uma doença como forma de pedido de socorro. Não devemos menosprezar e ignorar nada do que nossas agoniadas vidas estressantes nos impõem e nos deixam a mercê de ajuda. Vamos cuidar mais de nós, nos abrir mais; prá nós e para os outros que necessitam de esclarecimentos, informações, que por vezes, por nos sentirmos com superpoderes, pensamos estar isentos de situações que irão tirar nosso chão, transformar radicalmente conceitos antigos e enraizados, e simultaneamente nossas vidas. E ainda assim pensamos estar imunes... Se ainda há fôlego, ainda há vida... E se ainda há vida, vamos valorizá-la! Antes, deixemos de ficar submersos em nossas próprias ignorâncias causadas por nossos medos e afins! Vamos botar a boca no trombone E NOS AMAR! Eu já botei a minha e já estou me amando,e vc?
Bjus em seus corações

4 comentários:

Cristina disse...

O inusitado chega e muda tudo não é? Nada é por acaso, com o sofrimento vem a mudança, antes achávamos que não teria forças e ficamos surpresos ao ver que vamos em frente e lutando para viver. Fico feliz em ver que você está se amando mais e tendo fé que isso tudo vai passar. Que vc tenha uma ótima semana! Um abraço!

Izabel disse...

A mudança é necessária sim. A força para mudar sempre aparece. Também penso que nos transformamos bastante comessa experiência.

Beijos!

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Fiquei encantada com o seu blog e com voce.
Feliz por ver rostos familiares, como a Cris Paiva, Angela, João, a Virna minha irmã vizinha e grande amiga nessa trajetória.
São os amigos ditos virtuais que são partes também do nosso tratamento.
Um grande beijo
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Angel love disse...

Minhas amadas amigas,Cristina, Izabel e Wilma,
concordo em gênero, número e grau com seus comentários, e obrigada por estarem aqui me dando o privilégio de ter vcs. É por vocês, meus amigos queridos, que temos forças para lutar e continuar a viver, é por essa corrente mútua de mão dupla que nos auxiliamos e nos doamos uns aos outros com nossas histórias, experiências, dores,e por que não nossos méritos? Afinal vocês são dádivas na minha vida e na vida de muitos, que como nós vivem na esperança de dias melhores que certamente virão, se não fosse por essa situação inusitada talvez jamais nos encontraríamos não é?
Admiro demais vocês meus anjos do bem!
Luz, fé e força minha gente! Vamo que vamo!
bjus
Cris